Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Voltar

Como é feita a recuperação nutricional da pessoa com câncer?

A recuperação nutricional tem como objetivo prevenir e tratar a desnutrição, fortalecer o sistema imunológico, acelerar o processo de recuperação após cirurgias, diminuir o tempo de internação e melhorar a resposta ao tratamento do câncer como um todo.1,2 Saiba quais os estágios da recuperação nutricional.

Como é feita a recuperação nutricional da pessoa com câncer?

Terapia nutricional é uma abordagem usada por médicos e nutricionistas

Seja em internação ou tratamento domiciliar, a terapia nutricional consiste em uma série de etapas voltadas para avaliar o estado nutricional do paciente e verificar o que o corpo dele precisa para se recuperar ou se manter. Ela pode ser dividida da seguinte forma:1

Triagem nutricional – é uma etapa rápida feita para saber se há risco baixo, moderado ou alto de desnutrição. Ela é feita de acordo com cada hospital ou ambulatório, mas geralmente é observado se há perda de peso e quanto, e se a ingestão alimentar está sendo suficiente ou não. Alguns dos métodos mais comuns são:1

  • STRONG Kids (para crianças e adolescentes) – considera a avaliação clínica, se há alguma doença de alto risco ou cirurgia de grande porte, a ingestão nutricional dos últimos dias e perda de peso ou ganho insuficiente.1
  • Nutritional Risk Screening (NRS) – avalia o índice de massa corporal, a perda de peso nos últimos três meses, se houve redução da ingestão alimentar na última semana e se a saúde está gravemente comprometida.1
  • Malnutrition Universal Screening Tool (MUST) – avalia o índice de massa corporal, a porcentagem da perda de peso nos últimos três a seis meses e o padrão alimentar.1

Caso haja baixo risco para desnutrição, o paciente deverá passar por outras triagens ao longo do tratamento. Se houver risco, a avaliação nutricional deve ser detalhada para implementar a terapia nutricional.1

Avaliação nutricional do paciente – uma série de critérios detalhados são usados para definir qual o grau do risco nutricional que o paciente apresenta, assim é possível escolher a melhor forma de recuperar o estado nutricional. Em geral, os critérios de risco são:2

Paciente adulto com câncer2

  • Ingestão menor do que 60% das necessidades nutricionais;
  • Alterações no trato gastrointestinal;
  • Presença de outras doenças;
  • Presença de infecções;

Paciente pediátrico com câncer2

  • Perda de mais que 5% do peso, antes da doença;
  • Ingestão nutricional 70% menor que o necessário por três a cinco dias consecutivos;
  • Presença de outras doenças;
  • Presença de infecções;
  • Alterações no trato gastrointestinal.

Paciente idoso com câncer2

  • Alto percentual de perda de peso;
  • Ingestão alimentar 60% menor que o necessário por cinco dias consecutivos ou mais;
  • Colesterol sérico total <160 mg/dl.;
  • Sintomas no trato gastrointestinal;
  • Tumor na cavidade oral, faringe, laringe, esôfago, abdominais ou pulmão;
  • Radioterapia, cirurgias e/ou quimioterapia na região da cabeça, pescoço, tórax e/ou abdômen.

Cálculo das necessidades nutricionais – ele depende da idade, resultado da avaliação nutricional, estágio da doença e estado de saúde da pessoa, assim como os sintomas presentes. Pessoas em fase de ganho de massa ou recuperação de peso devem ingerir uma quantidade diária maior de calorias e proteínas. Idosos e crianças com desnutrição e perda de peso precisam de maior atenção e têm as necessidades diárias nutricionais recalculadas por nutricionistas.1

Indicação da terapia nutricional – caso os médicos e/ou nutricionistas observem que a pessoa não está ingerindo a quantidade de nutrientes necessários para recuperar ou manter o peso, eles poderão indicar uma terapia nutricional adequada para suprir essa necessidade. Elas se dividem em três tipos:2

  • Terapia nutricional oral – através da alimentação e de suplementos, busca fornecer as taxas necessárias de calorias, proteínas, água, vitaminas e minerais.1 A via oral é escolhida como primeira opção de terapia nutricional por ser mais fisiológica, podendo usar suplementos orais artesanais ou industrializados.2
  • Terapia nutricional enteral – quando a pessoa não consegue ingerir os alimentos de forma sólida ou não consegue atingir valores acima de 60% das necessidades nutricionais diárias por mais de três dias consecutivos. A alimentação é feita total ou parcialmente por uma sonda posicionada no estômago ou intestino delgado. A nutrição enteral fornece tudo o que é necessário: vitaminas, minerais, proteínas, gorduras, carboidratos e água.3
  • Terapia nutricional parenteral – ela é indicada quando há algum impedimento no trato gastrointestinal, como feridas, obstrução e insuficiência, ou quando a pessoa apresenta desnutrição de 24 a 72 horas depois de começar a nutrição enteral. Na nutrição parenteral os nutrientes são fornecidos via intravenosa.3

Para que a recuperação nutricional da pessoa com câncer aconteça mais rapidamente é importante que os familiares ou cuidadores e a equipe envolvida na terapia nutricional conversem e estejam alinhadas.

 

Referências:

1 - Ministério da Saúde. Manual de terapia nutricional na atenção especializada hospitalar no âmbito do Sistema único de Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_terapia_nutricional_atencao_hospitalar.pdf. Acesso em novembro/2019.
2 – Instituto Nacional de Câncer. Consenso Nacional de Nutrição Oncológica. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//consenso-nacional-de-nutricao-oncologica-vol2-2011.pdf. Acesso em novembro/2019.
3 – Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás. Protocolo de terapia nutricional enteral e parenteral da Comissão de Suporte Nutricional. Disponível em: http://www2.ebserh.gov.br/documents/222842/1033900/Manual+de+Nutricao+Parenteral+e+Enteral.pdf/98898f78-942a-4e5e-93be-4e13c63ee8cd. Acesso em novembro/2019

Voltar
Subir