Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Voltar

Alimentação em Tempos de COVID-19

Coronavírus não tem (ainda) remédio que o combata nem vacina que o previna. O único remédio é nossa própria capacidade de enfrentar o vírus. O exército é o nosso sistema imunológico, que tem que ser fortalecido com alimentação saudável e equilibrada, sono reparador, atividade física e cabeça boa. E, claro, ficar em casa, evitar aglomeração e usar máscaras.

Alimentacao e Covid

Coronavírus não tem (ainda) remédio que o combata nem vacina que o previna. O único remédio é nossa própria capacidade de enfrentar o vírus. O exército é o nosso sistema imunológico, que tem que ser fortalecido com alimentação saudável e equilibrada, sono reparador, atividade física e cabeça boa. E, claro, ficar em casa, evitar aglomeração e usar máscaras.

Quem faz tratamento de câncer tem naturalmente um sistema imunológico mais debilitado, e isto se deve à agressividade inata da doença e em grande parte, ao efeito dos quimioterápicos. Num paciente oncológico, o sistema imune sofre duplamente: primeiro, ele sai perdendo porque não consegue combater as células cancerosas, que possuem mecanismos, verdadeiras camuflagens, que burlam as defesas do organismo; segundo, porque os tratamentos, em geral, atacam as células, destruindo tanto as células cancerígenas quanto as imunológicas, o que enfraquece ainda mais a saúde do paciente.

Diante disto, o cuidado com alimentação correta e complementação nutricional do paciente oncológico precisa ser redobrado, com foco e ênfase na restauração e fortalecimento do sistema imune. Quando se tem uma doença instalada no organismo, há um gasto energético aumentado e uma maior perda de peso e de micronutrientes.

Tratamento oncológico submete o paciente a situações de estresse emocional e depressão, acarretando menor ingestão alimentar e, consequentemente, maior deficiência de micronutrientes, como cálcio, ferro, magnésio, vitaminas do complexo B, vitamina D e perda de peso. Consequentemente, menor resposta ao tratamento oncológico.

Efeitos colaterais de quimioterápicos interferem diretamente na alimentação e no equilíbrio nutricional do paciente. Ingestão inadequada está relacionada também ao aumento da toxicidade dos quimioterápicos e menos controle dos efeitos colaterais.

Exemplos:  mucosite (inflamação da mucosa do trato gastrointestinal, a começar da boca), náuseas, rejeição a texturas, sabores e odores, mudança no paladar (disgeusia), dificuldade para engolir (odinofagia), diarreia e constipação.

Para tratar estes desequilíbrios nutricionais, existem fórmulas alimentares que minimizam a desnutrição, aumentam o aporte calórico e proteico, favorecem o ganho de peso e melhoram a saúde em geral.

De eficácia comprovada, estas fórmulas nutricionais fornecem melhores quantidades de proteínas, calorias e micronutrientes. Eles são utilizados como forma de terapia nutricional como complemento ou até mesmo como alimentação exclusiva.

São de fácil aquisição, sendo encontrados em farmácias e lojas online, em forma de shakes prontos para consumo e também em pó com e sem sabor. Geralmente, atendem diferentes indicações, como ganho de peso, imunomodulação, controle glicêmico etc.

Para pacientes oncológicos em geral, e em particular àqueles submetidos a tratamentos mais agressivos, são indicadas fórmulas alimentares que têm por finalidade minimizar os efeitos colaterais dos quimioterápicos e dar suporte nutricional aos pacientes.

Estes complementos nutricionais podem conter maior quantidade de ingredientes próprios para cada indicação, como maior quantidade de cálcio, vitamina D e proteínas para o público mais idoso; e arginina, nucleotídeos e ácidos graxos w-3, destinados ao preparo imunológico, por exemplo. Em geral, para o paciente oncológico a fórmula alimentar deve conter maior aporte proteico.

Existe a opção de fórmulas com altas combinadas quantidades de proteína.  Estas combinações são uma forma de garantir, além de bom nível proteico, níveis eficientes de calorias, gorduras e micronutrientes sem que a pessoa precise ingerir grande quantidade de comida.

Lembrando que comemos não para encher a barriga mas para nutrir as células, para reforçar o sistema imunológico, é bom consumir crucíferas (couve de Bruxelas, repolho, couve flor e brócolis), chá verde, cúrcuma, castanhas, fibras e gorduras boas (abacate e óleo e coco). Estes alimentos contêm propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.

A orientação nutricional é importante para todas as pessoas, principalmente para pacientes oncológicos. Converse com seu profissional de saúde.

Corpo e mente

A atividade física é importante para uma boa saúde mental. Manter o corpo em movimento ajuda a evitar quadros de depressão e ansiedade.

Os exercícios mais recomendados são os de fortalecimento muscular, aeróbicos e respiratórios. Eles devem ser feitos com a orientação de especialistas.

Segurança alimentar

Alimentos são ambientes ideais para a proliferação de microorganismos. Bactérias, por exemplo, gostam de lugares úmidos e ricos em proteína; já fungos se multiplicam nos alimentos secos que contenham grande quantidade de açúcar. O caso dos vírus é particular: eles só crescem quando já estão dentro da célula do organismo do homem, através da ingestão da água, leite ou alimentos contaminados pela manipulação.

À exceção das bactérias boas, os microorganismos chamados patogênicos podem provocar infecções, intoxicações e hipersensibilidade. A contaminação dos alimentos pode se dar por má escolha de produtos, má técnica de preparo, má conservação e falta de cuidados na prevenção microbiológica.

“Falta de higiene no preparo da alimentação ocasiona: mal-estar, indisposição, doenças e até mesmo a morte”.  (Dr. Eneo Alves da Silva, biomédico e microbiologista)

Os manuais de controle higiênico e sanitário recomendam:

  • Higienizar as embalagens antes de guardar.
  • Evitar contaminação cruzada entre alimentos. Por exemplo: não cortar com a mesma faca carne e verduras e separar os tipos de alimentos nas prateleiras.
  • Evitar estoque de grande quantidade de alimentos, tanto secos quanto úmidos, para não haver acúmulo de sujeira e perda no controle sobre quantidades e de data de validade.
  • Reforçar os cuidados de higiene no preparo das refeições: limpar a bancada, lavar as mãos, usar unhas curtas, manter ambiente limpo e não deixar lixo acumular.
  • Realizar desinfecção correta de frutas, legumes e verduras com 2 colheres de sopa de água oxigenada + 2 colheres de sopa de vinagre de álcool + 1 litro de água. Deixar de molho por 15 minutos e retirar o excesso do produto com água corrente.

Referências bibliográficas

1 - BRASPEN. Recomendações Nutricionais para o paciente oncológico durante a pandemia do Coronavírus (COVID-19). Disponível em:https://www.braspen.org/post/recomenda%C3%A7%C3%B5es-nutricionais-para-o-paciente-oncol%C3%B3gico-durante-a-pandemia-do-coronav%C3%ADrus-covid-19
2 - ENEO.A.S.J. Manual de Controle Higiênico Sanitário em Serviços de Alimentação: Varela. 7 ed – São Paulo, 2014.
3 - FREIRE.D. Imunoterapia: a virada do sistema imunológico contra o câncer. Cienc. Cult. vol.71 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2019
4 - INSTITUTO VENCER O CÂNCER. Coronavírus: cuidados essenciais para pacientes oncológico. Disponível em: https://www.vencerocancer.org.br/cancer/noticias/coronavirus-cuidados-essenciais-pacientes-oncologicos/
5 - INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. Como surge o câncer?, 2019. Disponível em: https://www.inca.gov.br/como-surge-o-cancer.
6 - JOSÉ. J.F.B; Estratégias alternativas na higienização de frutas e hortaliças. Rev. de Ciências Agrárias vol.40 no.3 Lisboa set. 2017. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0871-018X2017000300015
7 - JUNIOR.E.A.S, et al. Avaliação da redução de patógenos produtos alternativos para higienização de vegetais utilizando. Rev Bras Nutr Func; 43(78), 2019
8 - MINISTÉRIO DA SAÚDE. Instituo Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA. Consenso Nacional de Nutrição Oncológica. https://www.sbno.com.br/UploadsDoc/consensonacional-de-nutricao-oncologica-2-edicao_2015_completo.pdf
9 - PINHO. M.P. Análise do repertório de linfócitos T em pacientes com câncer: desvendando a resposta imune: desvendando a resposta imune antitumoral em humanos. Tese de Pós Graduação em Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo para obtenção do Título de Doutor em Ciências, 2019.
10 - ROCHA. B.B IMUNOTERAPIA PARA O CÂNCER. Programa de aprimoramento profissional. Secretária do Estado da Saúde Coordenadoria de Recursos humanos. FMRP-USP, 2014.
11 - RODRIGUES.A.F.F. SISTEMA IMUNOLÓGICO NO COMBATE AO CÂNCER: EVASÃO A VIGILÂNCIA IMUNOLÓGICA. Revista científica Facider, 2019.
12 - SANTOS. F.N. A relação do sistema imunológico, o câncer e a imunoterapia. A.C Camargo, 2015. Disponível em: https://accamargo.org.br/noticias/relacao-do-sistema-imunologico-o-cancer-e-imunoterapia
13 - SOCIEDADE BRASILEIRA DE ONCOLOGIA CLÍNICA. Posicionamento SBOC - Coronavírus (COVID-19) - Informação ao Paciente. Disponível em: https://sboc.org.br/noticias/item/1797-posicionamento-sboc-coronavirus-covid-19
14 - SOUZA.N et al, Nutrição Funcional: Princípios e Aplicação na Prática Clínica. Acta Port Nutr  no.7 Porto dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-59852016000400006
15 - SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Nutrição, imunidade e diabetes em tempo de coronavírus. Disponível em: https://www.diabetes.org.br/publico/noticias-nutricao/2039-nutricao-imunidade-e-diabetes

Voltar
Subir