Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Voltar

Papel da psico-oncologia e a qualidade de vida da pessoa com câncer

Alguns dos principais focos de terapias são a dor, fadiga, sexualidade e autoestima1

Papel da psico-oncologia e a qualidade de vida da pessoa com câncer

As questões psicossociais têm um impacto grande na vida da pessoa com câncer, tanto no que diz respeito ao bem-estar físico, quanto ao mental.1 A área que cuida dessas questões psicológicas, emocionais, sociais, comportamentais, de qualidade de vida e até espirituais em relação ao câncer é a psico-oncologia.2 Ela dá apoio para as pessoas com câncer enfrentarem vários desafios ao longo da jornada da doença.1-3

Todas as pessoas com câncer precisam do apoio psicológico?

Embora existam evidências de que o sofrimento psicológico pode levar a um pior desenvolvimento do câncer, essa relação direta ainda não está comprovada. Inclusive, não está claro se a depressão, por exemplo, tem um impacto direto na progressão do câncer. Mas o fato é que a doença provoca muitos desafios e mudanças psicossociais e há vários estudos que relatam benefícios da intervenção psicossocial.1-3

Entretanto, nem todos as pessoas precisam de intervenções psico-oncológicas ou as querem. E também pode ser que eles ou seus cuidadores não reconheçam a necessidade e importância desse suporte. Por isso, o grau de sofrimento da pessoa com câncer deve ser avaliado em todos os estágios da doença para identificar os casos em que um suporte especializado seria aconselhável.1-2

De que forma a psico-oncologia pode ajudar?

A abordagem terapêutica da psico-oncologia ajuda a melhorar os sintomas físicos e psiquiátricos e a qualidade de vida. Alguns dos principais focos de intervenção são:1

Dor – pode ter muitas causas, como o crescimento do tumor, algum tratamento (uma cirurgia, por exemplo) e até a falta de atividade física. Além de tratamento médico, a pessoa com câncer deve receber tratamento psicológico, pois a dor pode interagir com o sofrimento emocional, depressão, ansiedade, insegurança e falta de esperança. Há várias terapias que ajudam a enfrentar a dor, por exemplo1,4:

  • Terapia comportamental cognitiva;
  • Hipnose;
  • Técnicas de relaxamento;
  • Ioga;
  • Exercícios físicos.

Fadiga – é um sintoma muito comum e bastante importante nas pessoas com câncer. Provavelmente, está relacionada com vários fatores da doença, mas não se sabe exatamente o que a provoca. Mas depressão, ansiedade, insônia e dor podem contribuir para que a pessoa tenha fadiga1-3. Existem alguns tipos de intervenções que podem ajudar a melhorá-la, tais como:1,5

  • Treinamento aeróbico;
  • Treinamento de resistência ou força;
  • Intervenções de gasto energético (regulam as atividades da pessoa em função de suas possibilidades e necessidades específicas);
  • Técnicas de relaxamento.

Sexualidade – pode ser afetada pelo câncer de várias maneiras, seja pela própria doença, tratamentos, fadiga, dor e alterações emocionais, por exemplo. A pessoa com câncer pode receber tratamento médico, quando houver a possibilidade, e também algum tipo de abordagem terapêutica como:1,6

  • Intervenções educacionais e de aconselhamento;
  • Terapia sexual;
  • Terapia de casal.

Hoje em dia, o atendimento à pessoa com câncer está cada vez mais multidisciplinar, incluindo o aspecto psicossocial da sua experiência no tratamento. Ela é um ponto muito importante do tratamento, que abrange outros aspectos além do tumor.7

 

Referências:

1 – Lang-Rollin I. Psycho-oncology. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6016045/. Acesso em: outubro/2019.
2 – Recklitis CJ. Provision of integrated psychosocial services for cancer survivors post-treatment. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5865587/. Acesso em: novembro/2019.
3 - Lang-Rollin I. Psycho-oncology. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6016045/. Acesso em: novembro/2019.
4 - Paice JA, Portnoy R, Lacchetti C, Campbell T et al. Management of Chronic Pain in Survivors of Adult Cancers: American Society of Clinical Oncology Clinical Practice Guideline. Disponível em: https://ascopubs.org/doi/full/10.1200/JCO.2016.68.5206. Acesso em: novembro/2019.
5 - Bower JE, Bak K, Berger A, Breitbart W, Escalante CP et al. Screening, Assessment, and Management of Fatigue in Adult Survivors of Cancer: An American Society of Clinical Oncology Clinical Practice Guideline Adaptation. Disponível em: https://ascopubs.org/doi/10.1200/jco.2013.53.4495. Acesso em: novembro/2019.
6 - Bober SL, Varela VS. Sexuality in Adult Cancer Survivors: Challenges and Intervention. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/231176360_Sexuality_in_Adult_Cancer_Survivors_Challenges_and_Intervention. Acesso em: novembro/2019.
7 - Psycho-Oncology – Model of Care. Government of Western Australia, Department of Health. Disponível em: https://ww2.health.wa.gov.au/~/media/Files/Corporate/general%20documents/Health%20Networks/WA%20Cancer%20and%20Palliative%20Care/Cancer/Psycho-Oncology-Model-of-Care.pdf. Acesso em: outubro/2019.

Voltar

Veja mais desse tema

Como estipular uma rotina saudável durante o tratamento do Câncer?

Como estipular uma rotina saudável durante o tratamento do Câncer?

Você sabe como criar uma rotina saudável?
O tratamento do câncer implica em mudanças no âmbito profissional e pessoal, de forma que é preciso aprender a lidar não somente com os efeitos colaterais decorrentes do tratamento, mas também com os aspectos sociais e psicológicos. 1

Saiba mais
Como suplementar o paciente oncológico

Como suplementar o paciente oncológico

Desnutrição em indivíduos com câncer é muito frequente por diversos fatores: localização do tumor (pacientes com câncer de cabeça e pescoço ou trato gastrointestinal começam a ter dificuldade de se alimentar, e consequentemente, perdem peso); efeitos da quimioterapia, como diminuição de apetite, alteração do olfato e paladar, inflamação na mucosa, dificuldade de deglutir, náuseas, vômitos, diarreia ou constipação; jejuns prolongados em exames ou cirurgias, no pré e pós operatórios; e pelos efeitos que também afetam o metabolismo, comuns a outras modalidades de tratamento como radioterapia, imunoterapia e hormonioterapia.

Saiba mais
Hidratação para o paciente oncológico

Hidratação para o paciente oncológico

Tratamento oncológico vai muito além das terapias convencionais, como quimioterapia, radioterapia, imunoterapia ou cirurgia. O bem-estar geral do paciente, junto à sua qualidade de vida, também faz parte do tratamento. Isto inclui alimentação, exercício físico, saúde mental e hidratação. Esses são os 5 pilares para uma vida saudável.

Saiba mais
sad

WebSérie GOSTO - Mucosite

O Projeto Gosto é uma parceria do Instituto Vencer o Câncer (IVOC) com a Nestlé. No decorrer de 4 episódios, o oncologista Thiago Jorge e a nutricionista Luísa Nunes conversam com pacientes oncológicos sobre o tratamento da doença e alimentação.

No episódio 3, o tema é "Mucosite", teve a presença do Sr. Osmar Vilela e a receita escolhida pelo chef Gentil Mendonça, mousse de chocolate.

Saiba mais
scsa

WebSérie GOSTO - Disgeusia

O Projeto Gosto é uma parceria do Instituto Vencer o Câncer (IVOC) com a Nestlé. No decorrer de 4 episódios, o oncologista Thiago Jorge e a nutricionista Luísa Nunes conversam com paciente oncológicos sobre o tratamento da doença e alimentação.

No episódio 2, o tema é "DISGEUSIA", que é a distorção ou diminuição do senso do paladar, e contou com a presença da paciente oncológica Nair Andrade e seu esposo Josué Lima. A receita escolhida pelo chef Gentil Mendonça, estrogonofe.

Saiba mais
sad

WebSérie GOSTO - Constipação e Diarreia

O Projeto Gosto é uma parceria do Instituto Vencer o Câncer (IVOC) com a Nestlé. No decorrer de 4 episódios, o oncologista Thiago Jorge e a nutricionista Luísa Nunes conversam com pacientes oncológicos sobre o tratamento da doença e alimentação.

No episódio 3, o tema é "Diarreia e Constipação", contou com a presença das pacientes Juliana Carelli e Sabrina Neves, a receita escolhida pelo chef Gentil Mendonça foi crepioca de legumes.

Saiba mais
Subir